TCE-RS capacita Observatórios Sociais para uso do LicitaCon

Estiveram presentes representantes dos Observatórios Sociais de Porto Alegre, Caxias do Sul, Novo Hamburgo, Lajeado, Pelotas e Gravataí.

Publicado para | Destaque em 09 de maio de 2017 13:29

Na última terça-feira (25), o Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCE-RS) promoveu, por meio de sua Escola Superior de Gestão e Controle Francisco Juruena (ESGC), um treinamento especial destinado aos Observatórios Sociais do Estado para uso do LicitaCon – Sistema de Licitações e Contratos.

O evento aconteceu na sala Rosane Heineck Schmitt, sede do TCE-RS e foi conduzido pela diretora da ESGC, Fernanda Nunes, e pelos auditores públicos externos Andréa Mallmann e Cláuber Bridi. Os auditores explicaram como o sistema pode auxiliar na fiscalização dos contratos públicos.

O LicitaCon é um software desenvolvido pelo Tribunal, que pretende unificar o acesso à informação de todos os processos licitatórios dos municípios e do governo do estado do RS. “O programa não tem apenas a função de auxiliar na fiscalização do Tribunal de Contas, é também uma maneira de a sociedade acompanhar o gasto público, as informações estão disponíveis para todos”, observou Fernanda Nunes.

“Nós mostramos como os Observatórios Sociais e a sociedade podem acessar as informações e documentos referentes aos processos licitatórios de todo o Estado, facilitando, assim, o trabalho de fiscalização pública”, concluiu a auditora Andréa Mallmann.

Estiveram presentes representantes dos Observatórios Sociais de Porto Alegre, Caxias do Sul, Novo Hamburgo, Lajeado, Pelotas e Gravataí.

Foto:  Na ponta, de frente, da esquerda para a direita, estão os auditores públicos externos Cláuber Bridi e Andréa Mallmann, além da diretora da Escola do TCE, Fernanda Nunes, que está falando.

Com informações TCE-RS

Veja outras publicações das mesmas tags: | | | | |

Mantenedores

ObservatórioSocial de Novo Hamburgo

O Observatório Social do Brasil | Novo Hamburgo é um espaço para exercício da cidadania, que deve ser democrático e apartidário, reunindo o maior número possível de entidades representativas da sociedade civil com o objetivo de contribuir para a melhoria da gestão pública. É integrado por cidadãos que transformaram o seu direito de indignar-se em atitude: em favor da transparência e da qualidade na aplicação dos recursos públicos.